Social Icons

domingo, 31 de agosto de 2014

Bullet For My Valentine - Discografia Comentada

Antigamente o preconceito musical contra o Heavy Metal acontecia a partir de pessoas de fora do estilo, que não gostavam, ou não entendiam, ou se deixavam levar por comentários intolerantes e ignorantes. Hoje em dia pode-se dizer que Rock e Metal são os dois estilos musicais mais diversificados do mundo. A coisa cresceu e se desenvolveu tanto que uma porrada de rótulos foram criados para definir a sonoridade de bandas que soam similares (ou quase similares). Como consequência, os adeptos do estilo passaram a se identificar mais com umas vertentes do que com outras, tornando o Metal mais democrático. Logo chegamos aos tempos atuais, onde, além do preconceito por parte de pessoas de fora do estilo, os headbangers ainda são 'obrigados' a enfrentar preconceitos de quem é de dentro do estilo, mas se identifica com subgêneros diferentes.
Dificilmente seria mais sensato falar sobre isso em uma postagem de bandas que não sejam de Metalcore. Claro, esse é um dos gêneros mais criticados do meio metálico devido à sonoridade que alia o peso de vertentes pesadas do Metal como o Death Metal com a maciez e acessividade do Rock Alternativo, algo que se tornou muito bem vindo para quem está começando no estilo, até por ter ganhado uma característica comercial. Mas não apenas a popularidade das bandas do gênero incomoda quem é "true", mas também a aparência dos músicos do gênero e o jeito (vocês vão me perdoar, mas é verdade) um tanto gay como se canta as linhas vocais mais limpas.
Há quem não considere o Metalcore como Metal, mas eu particularmente considero, principalmente pela influência de um Death Metal bem técnico executado nos riffs de guitarra e no trabalho geralmente excelente da bateria. Dentre os conjuntos que seguem essa linha, provavelmente o Bullet For My Valentine é o mais famoso. Sou ciente que nem todo mundo gosta (incluindo eu), mas há quem goste. Portanto, vamos respeitar quem se interessar em baixar e apenas ir procurar uma discografia do nosso acervo que agrade.
Apesar de reconhecida atualmente como uma banda de Metalcore, não foi assim que essa banda formada em Bridgend, no País de Gales, começou. Lá nos primórdios, a partir do ano de 1998, quando tudo começou, os caras faziam covers de bandas como Nirvana, Metallica e Pantera, e as canções autorais seguiam uma linha mais voltada para o Nu Metal. A formação consistia nos estudantes de música Matthew Tuck (vocal e guitarra), Michael Paget (guitarra), Nick Crandle (baixo) e Michael Thomas (bateria) e o grupo era conhecido como Jeff Killed John. Sob este nome inicial, lançaram alguns EPs independentes como o "Better Off Alone" em 1999, "Eye Spy" e "You/Phony" em 2002, "Don't Walk Away" em 2003 e o homônimo de 2004, após o baixista Nick Crandle sair e Jason James ocupar sua vaga, iniciando a formação que consiste até os dias atuais.
Logo em seguida, a banda sentiu que não estava conseguindo chegar onde gostariam, e muitos creditam isso ao fato de que o Nu Metal estava saindo de moda. Por isso mudaram a postura, decidindo trabalhar com o Metalcore e mudando o nome para Bullet For My Valentine ainda em 2004. Representando a nova fase, ainda naquele ano lançaram mais um EP, agora homônimo ao novo nome, finalmente despertando sério interesse de gravadoras como as poderosas Roadrunner Records e Sony BMG. Optaram por assinar com a segunda por acreditarem poder chegar mais longe com ela, e assim fecharam um acordo de cinco álbuns. Antes do álbum de estreia completo, o EP "Hand of Blood" ainda chegaria em agosto de 2005.
Dois meses mais tarde o debut "The Poison" chegaria, trazendo a exata essência da banda: bem elaborados arranjos de guitarra, técnica e variação na bateria e alternância entre vocais guturais rasgados e vocais limpos (que também optam por drives), mas os limpos são mais frequentes. Uma turnê mundial subsequenciou o lançamento, participando de grandes festivais como o Download Festival da Inglaterra, e abrindo shows para Metallica e Guns N' Roses. Além disso, o trabalho foi certificado ouro pela RIAA após bater a marca de 500 mil cópias vendidas só nos Estados Unidos. Uma das apresentações, ocorrida no Brixton Academy, em Londres, foi gravada e lançada em DVD em 2006 sob o título "The Poison: Live At Brixton".
Em 2008 foi a vez do álbum "Scream Aim Fire" ser lançado, trazendo uma energia mais empolgante. Tecnicamente superior em relação ao "The Poison", o trabalho com todo o instrumental é certamente aplaudível. Guitarras tocadas com mais vontade, baixo porrado, bateria sedenta. Vocalmente não vê-se tanto avanço em comparação com as demais áreas, mantendo, portanto, a técnica e a estrutura.
O trabalho vendeu 53 mil cópias já na primeira semana, levando-os à quarta posição da Billboard 200. Nova turnê mundiou sucedeu ao trabalho, dividindo a América do Norte e Austrália com o Avenged Sevenfold, Blessthefall e Atreyu, passando rapidamente pelo Canadá e voltaram aos Estados Unidos com Cancer Bats, Black Tide e Bleeding Through, e então rumaram à Europa, compartilhando palcos com, novamente, Bleeding Through e Black Tide, além de Lacuna Coil.
Depois de mais dois anos de espera, "Fever" vem à luz, em 2010, apresentando uma musicalidade mais voltada para o que era feito no primeiro álbum, só que sem músicas baladas. É meio que o "The Poison", mas um pouco mais pesado por causa do "Scream Aim Fire", que talvez não tenha saído completamente de suas cabeças. A nova turnê de divulgação teve início nos Estados Unidos, ao lado de Airbourne e Chiodos. Em moldes parecidos com o "Fever", "Temper Temper" foi lançado em 2013, até porque reaproveitou algumas sobras do disco.
Atualmente, os galeses se encontram em processo de produção do próximo álbum de estúdio. Ainda não há data de previsão para quando será lançado.
O Bullet For My Valentine é uma banda que, sem dúvidas, tem competência e expressão dentro de sua proposta musical. O crescimento não se deve apenas ao fator "música comercial", mas também pela qualidade musical por si só. No entanto, para muitos não desce, inclusive para mim. Acho interessante o instrumental na maioria das canções, mas o vocalista é a alma de uma banda. Se ele não agrada, é difícil engolir. É o que acontece. Quando Matthew Tuck está rasgando, até acho legal, mas como a banda investe muito mais nos vocais limpos, isso acaba, ao meu ver, destruindo a música. Não por ser limpo, mas pela forma como é cantado. Porém, como aqui prezamos a variedade dentro do Rock e Metal, uma banda expressiva como essa faz, com tantos fãs, tem um espaço merecido, mesmo que a maioria dos visitantes torça o nariz. Para quem gosta, cá está a discografia, incluindo os EPs da época que se chamavam Jeff Killed John. Para quem se interessa em conhecer, o álbum "Scream Aim Fire" pode ser uma bela pedida. Aproveitem!


 Better Off Alone (EP) (1999)

01 - Better Off Alone
02 - Bottom of The Line
03 - Wrong of Me
04 - Don't Walk Away

 Eye Spy (EP) (2002)

01 - Eye Spy
02 - Don't Walk Away (Second Version)

 You/Phony (EP) (2002)

01 - You
02 - Phony

 Don't Walk Away (EP) (2003)

01 - Don't Walk Away (Second Version)
02 - Bouncy Stuff
03 - Hostile
04 - Nation2Nation (feat. Benji Webbe)
05 - In The Air Tonight (Phil Collins Cover)
06 - Broad (Live)

 Jeff Killed John (EP) (2004)

01 - Our Song
02 - Routine Unhappiness
03 - Nation2Nation (feat. Benji Webbe)
04 - All These Things I Hate (Revolve Around Me) (Demo Version)
05 - Misery

 Bullet For My Valentine (EP) (2004)

01 - Hand of Blood
02 - Cries In Vain
03 - Curses
04 - No Control
05 - Just Another Star

 Hand of Blood (EP) (2005)

01 - 4 Words (To Choke Upon)
02 - Hand of Blood
03 - Cries In Vain
04 - Curses
05 - No Control
06 - Just Another Star

 The Poison (2005)

01 - Intro
02 - Her Voice Resides
03 - 4 Words (To Choke Upon)
04 - Tears Don't Fall
05 - Suffocating Under Words of Sorrow (What Can I Do?)
06 - Hit The Floor
07 - All These Things I Hate (Revolve Around Me)
08 - Room 409
09 - The Poison
10 - 10 Years Today
11 - Cries In Vain
12 - Spit You Out
13 - The End
14 - 7 Days (Bonus Track)
15 - My Fist, Your Mouth, Her Scars (Bonus Track)
16 - Spit You Out (Live At Brixton) (Bonus Track)
17 - All These Things I Hate (Revolve Around Me) (Live At Brixton) (Bonus Track)

Ouvir (Spotify)

 Rare Cuts (EP) (2007)

01 - My Fist, Your Mouth, Her Scars
02 - 7 Days
03 - Domination (Pantera Cover)
04 - Welcome Home (Sanitarium) (Metallica Cover)
05 - Tears Don't Fall (Acoustic Version)

 Scream Aim Fire (2008)

01 - Scream Aim Fire
02 - Eye of The Storm
03 - Hearts Burst Into Fire
04 - Waking The Demon
05 - Disappear
06 - Deliver Us From Evil
07 - Take It Out On Me (feat. Benji Webbe)
08 - Say Goodnight
09 - End of Days
10 - Last To Know
11 - Forever and Always
12 - Road To Nowhere (Bonus Track)
13 - Watching Us Die Tonight (Bonus Track)
14 - One Good Reason Why (Bonus Track)
15 - Ashes of The Innocent (Bonus Track)

Ouvir (Spotify)

 Fever (2010)

01 - Your Betrayal
02 - Fever
03 - The Last Fight
04 - A Place Where You Belong
05 - Pleasure and Pain
06 - Alone
07 - Breaking Out, Breaking Down
08 - Bittersweet Memories
09 - Dignity
10 - Begging For Mercy
11 - Pretty On The Outside

Ouvir (Spotify)

 Temper Temper (2013)

01 - Breaking Point
02 - Truth Hurts
03 - Temper Temper
04 - P.O.W.
05 - Dirty Little Secret
06 - Leech
07 - Dead To The World
08 - Riot
09 - Saints & Sinners
10 - Tears Don't Fall (Part 2)
11 - Livin' Life (On The Edge of A Knife)
12 - Not Invincible (Bonus Track)
13 - Whole Lotta Rosie (AC-DC Cover) (Live At BBC Radio 1) (Bonus Track)
14 - Scream Aim Fire (Live At BBC Radio 1) (Bonus Track)
15 - Playing With Fire (Bonus Track)

Ouvir (Spotify)

 Venom (2015)

01 - V
02 - No Way Out
03 - Army of Noise
04 - Worthless
05 - You Want A Battle (Here's A War)
06 - Broken
07 - Venom
08 - The Harder The Heart (The Harder It Breaks)
09 - Skin
10 - Hell Or High Water
11 - Pariah
12 - Playing God (Bonus Track)
13 - Run For Your Life (Bonus Track)
14 - In Loving Memory (Bonus Track)
15 - Raising Hell (Bonus Track)
16 - Ace of Spades (Motörhead Cover) (Bonus Track)
17 - Scream Aim Fire (Live) (Bonus Track)

Ouvir (Spotify)

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

The Rods - Discografia

Lá trás, mais precisamente no ano de 1967, surgia nos Estados Unidos uma banda que até hoje não é tão conhecida pelo grande público apreciador da música pesada, mas um de seus integrantes viria a se tornar uma das maiores lendas da história do Heavy Metal. Me refiro ao Elf, inicialmente chamado de The Electric Elves, que contava com o ilustre Ronnie James Dio no vocal e baixo, David Feinstein na guitarra, Gary Driscoll nas baquetas e Mickey Lee Soule no piano e órgão. A banda lançaria três álbuns de estúdio antes de paralisar suas atividades em 1975 e Dio seguir seu caminho ao topo, passando por bandas como Rainbow e Black Sabbath. No entanto, um detalhe que poucos se atentam é que o Elf deixou mais um filho, apesar de não muito reconhecido. E dos bons.
A família de Ronnie James Dio é, por sinal, abençoada pelo dom de fazer Rock 'n' Roll. Isso porque o guitarrista David Feinstein, seu companheiro de banda da época do Elf, é também seu primo. O desconhecimento desse detalhe pode reduzir o interesse de muitos em buscar o que esse cara veio a criar depois do Elf.
Feinstein não ficou parado após a paralisação da banda com seu primo. Entre especulações sobre retorno lá e cá (que não se concretizaram), não tardou tanto assim para que uma nova banda nascesse.
Essa nova banda surgiu em Cortland, Nova Iorque, no ano de 1978, e se chama The Rods. Compreendendo David Feinstein na guitarra e também no vocal (excelente, com drives e ocasionais rasgados totais), Stephen Starmer no baixo e Carl Canedy na bateria, a nova banda seguiria uma linha um tanto diferente do que era tocado no Elf, mas se aproveitando da mesma veia de Rock antigo, setentista, de fácil relacionamento a bandas como Led Zeppelin e Deep Purple.
O álbum debut chegou em 1980 sob o título "Rock Hard". Originalmente lançado de forma independente, é um disco excelente, mas meio que com o pé no freio, não tão agitado. A sonoridade é expressa por meio de um característico Hard Rock setentista, e as letras, pra variar, são os clichês antigos como sexo, drogas, mulheres, Rock 'n' Roll.
Rapidamente, em 1981, o The Rods conquistou um contrato com o selo Arista Records, que relançou o primeiro álbum reorganizando a ordem das faixas, excluindo algumas e acrescentando outras, e nomeando-o com o nome da banda. Nesse ano, também, uma das poucas alterações na formação aconteceram em decorrência da saída do baixista Stephen Starmer para a entrada de Gary Bordonaro.
O terceiro álbum (também considerado o segundo álbum da banda devido ao fato de que a Arista Records apenas relançou o debut) chegou num ligeiro período de um ano. "Wild Dogs" foi lançado em 1982 e começou a apresentar um maravilhoso Hard Rock mais pesado, fundido a bem-vindas impressões de Heavy Metal. O maior astral das canções e o maior peso afetaram também o vocal de David Feinstein, que canta com mais vontade e rasga mais.
Mantendo o pique de lançamento de um álbum por ano, a sequência prossegue com a chegada de "In The Raw" em 1983, agora lançado através da Shrapnel Records. Não apenas o pique de lançamento se mantém a todo vapor, mas o pique da sonoridade também, que preserva todo o direcionamento dos antecessores. Mil novecentos e oitenta e três também foi o ano de lançamento do primeiro disco ao vivo do power trio, chamado simplesmente "Live" e distribuído pela Combat Records.
No ano seguinte é a vez do excelente "Let Them Eat Metal" chegar às prateleiras, agora via o poderoso selo Roadrunner Records. Aqui a abordagem é um pouco mais pesada. Em algumas músicas, o ritmo é mais pegado. Em outras, o Hard Rock flerta mais com algo próximo ao Glam Metal. Ainda assim, não se desvia tanto do que sempre foi feito.
Pela primeira vez levando dois anos para lançar um álbum, "Heavier Than Thou" foi lançado apenas em 1986 pela Passport Records. A demora provavelmente se deve a uma estranha mudança na formação da banda. O impacto dessas mudanças puderam ser sentidos na musicalidade do álbum. Agora, David Feinstein não mais era vocalista; dedicava-se apenas à guitarra. O posto de vocal ficou por conta de "Shmoulik" Avigal. Outro acréscimo foi o da tecladista Emma Zale. Além disso, o baixista Gary Bordonaro não mais fazia parte da banda. Sua posição foi ocupada por Craig Gruber, mas ainda assim, Gary gravou o baixo da faixa "Make Me A Believer". O impacto das mudanças foi muito positivo, pois resultou em um álbum de pegada ainda mais acelerada e os arranjos de teclado encorparam determinadas passagens das canções, só que sem exagerar, não sendo sempre evidente, mas apenas nos momentos de clímax. Enquanto não tão evidente, ele está ali sustentando o background.
Infelizmente o The Rods encerrou suas atividades em 1987, mas especulações sobre um possível retorno sempre existiram. Os boatos se concretizaram quando em 2008 o conjunto anunciou que se reuniriam a lançariam um novo trabalho. Renasceram como o power trio histórico, compreendendo David Feinstein no vocal e guitarra, Gary Bordonaro no baixo e Carl Canedy na bateria e, confirmando o retorno, apresentaram-se no Rock Fest em Lillehammer, na Noruega, e os trabalhos de composição então recomeçaram.
Coroando a volta do The Rods, o álbum "Vengeance" chegou em 2011 através do selo Niji Entertainment Group. Trata-se de um disco cuja energia enche os olhos. É um Hard Rock empolgante, trás frequentes solos de guitarra, mas o vocal de David Feinstein demonstra ter sofrido um pouco com os anos, pois, como geralmente acontece com vocalistas que utilizam muito a técnica do drive, seu vocal está rouco e muitas vezes as passagens mais agudas são um pouco estranhas aos meus ouvidos. Ainda assim, o trabalho é excelente, e ainda tem a cereja no bolo: a participação de Ronnie James Dio na faixa "The Code". Evidentemente, a faixa foi gravada antes de sua morte, que aconteceu em maio de 2010.
Atualmente existe a expectativa de lançamento de um oitavo álbum de estúdio, pois uma single intitulada "Great Big Fake Ones" saiu em 2014.
Certamente, o The Rods é uma verdadeira pérola injustamente desconhecida pela grande maioria. Não há dúvidas de que quem gosta de um bom Hard Rock tradicional, uma boa pegada antiga, vai se perguntar por que não conheceram esses caras antes ou por que não ficaram tão conhecidos no mainstream. Som foda, de muita qualidade, como se fosse algo genético.


 Rock Hard (1980)

01 - Sit Down Honey
02 - Music Man
03 - In Your Panties
04 - Power Love
05 - Roll With The Night
06 - Hungry For Some Love
07 - Get Ready To Rock 'n' Roll
08 - Crank It Up
09 - Rock Hard
10 - Gettin' Higher
11 - You Better Run
12 - Woman


 The Rods (1981)

01 - Power Lover
02 - Crank It Up
03 - Hungry For Some Love
04 - Music Man
05 - Woman
06 - Nothing Going On In The City (Wild Honey Cover)
07 - Get Ready To Rock 'n' Roll
08 - Ace In The Hole
09 - Rock Hard
10 - Roll With The Night
11 - Getting Higher (Bonus Track)
12 - Wings of Fire (Bonus Track)


 Wild Dogs (1982)

01 - Too Hot To Stop
02 - Waiting For Tomorrow
03 - Violation
04 - Burned By Love
05 - Wild Dogs
06 - You Keep Me Hangin' On (The Supremes Cover)
07 - Rockin' and Rollin' Again
08 - End of The Line
09 - No Sweet Talk, Honey
10 - The Night Lives To Rock


 In The Raw (1983)

01 - Hurricane
02 - Can't Get Enough of The Fun
03 - Witches' Brew
04 - Go For Broke
05 - Hot Love
06 - Hot City
07 - Street Fighter
08 - Evil Woman
09 - Hold On For Your Life
10 - Another Night On The Town
11 - In Your Panties (Instrumental) (Bonus Track)
12 - Stay On Top (Rehearsal) (Bonus Track)
13 - Nothing Going On In The City (Live) (Wild Honey Cover) (Bonus Track)
14 - Whole Lotta Led (Medley) (Bonus Track)
15 - End of The Line (Live) (Bonus Track)


 Live (Live) (1983)

01 - I Live For Rock 'n' Roll
02 - Hellbound
03 - Born To Rock
04 - The Viper
05 - Violation
06 - Speed Demon
07 - Hurricane
08 - Devil's Child
09 - Rabid Thunder
10 - Cold Sweat and Blood
11 - Record World Radio Spot (Bonus Track)
12 - Sit Down Honey (Bonus Track)
13 - Ace In The Hole (Bonus Track)
14 - Long Road (Bonus Track)
15 - WAAF Radio Spot & Interview (Bonus Track)


 Let Them Eat Metal (1984)

01 - Let Them Eat Metal
02 - White Lightning
03 - Nuclear Skies
04 - Rock Warriors
05 - Bad Blood
06 - She's So Tight
07 - Got The Fire Burnin'
08 - I'm A Rocker
09 - She's Such A Bitch
10 - You'd Better Run (Bonus Track)
11 - Life On The Edge (Bonus Track)
12 - Evil Woman/Popeye's Drum Solo (Live) (Bonus Track)
13 - Too Hot To Stop (Live) (Bonus Track)


 Heavier Than Thou (1986)

01 - Heavier Than Thou/Make Me A Believe
02 - Angels Never Run
03 - Crossfire
04 - I'm Gonna Rock
05 - She's Trouble
06 - Born To Rock
07 - Chains of Love
08 - Communication Breakdown (Led Zeppelin Cover)
09 - Fool For Your Love
10 - Cold Sweat and Blood
11 - The Music Man


 Vengeance (2011)

01 - Raise Some Hell
02 - I Just Wanna Rock
03 - Rebels Highway
04 - Ride Free Or Die
05 - The Code (feat. Ronnie James Dio)
06 - Livin' Outside The Law
07 - Let It Ripp
08 - Fight Fire With Fire
09 - Madman
10 - Runnin' Wild
11 - Vengeance


 Great Big Fake Ones (Single) (2014)

01 - Great Big Fake Ones


terça-feira, 26 de agosto de 2014

Autumn Flowers - Discografia Comentada

A cidade mineira de Juiz de Fora vive um momento especial para os amantes da vida pesada. Bandas como Hagbard, Hard Desire, Glitter Magic, entre outras, deram um novo fôlego para uma cena que já havia vivido um grande momento a partir de 2003.
O ponto de afirmação da atual fase da cidade, será receber o show do Sabaton no próximo dia 14 de setembro.
E se hoje a cena colhe ótimos frutos, parte desse sucesso deve-se aos conjuntos que surgiram no início dos anos 2000 e que romperam fronteiras, trazendo para cidade uma vertente diferente do que se tocava na região, e um desses conjuntos era o Autumn Flowers, formado em 1998.
Já em 2000, quando a formação era Raphael Vasconcelos (vocal), Leandro Mesquita (vocal e guitarra), Mauricio Fernandes (guitarra), Vitor Gomes (baixo), Diogo Dadati (teclados e violino) e Camilo Rangel (bateria), lançaram uma demo, que foi muito bem recebida pela mídia especializada.
A banda se destaca por fazer um Doom Metal clássico, com várias influências de nomes como My Dying Bride e Anathema (mais antigo).
Após o lançamento da demo, o conjunto seguiu sua jornada, buscando realizar o sonho de lançar o primeiro álbum. Nessa caminhada participaram de eventos importantes pelo Brasil, tocando ao lado de nomes como: Dynamo, Sadistic Gore, Elevare, Devourer, Sepulcro, Black Widow, Thessera, Avec Tristesse, Silent Cry, Imago Mortis e Nordheim, além dos gigantes Ratos de Porão, Korzus, Dr. Sin e Andre Matos.
E a luta dos caras em busca de espaço e reconhecimento foi recompensada com o brilhante Of Essence And Nightmare, que saiu em 2010.
O álbum é denso, melancólico, com excelentes partes de piano e violino, sendo elas colocadas na medida certa. Ao contrário de grande parte dos conjuntos de Doom, que modificaram seu som ao longo dos anos, trazendo influências do Gothic, no caso do Autumn Flowers o foco era o Doom clássico, com ênfase nos riffs. O vocal é bem agressivo e muito bem encaixado, como na fantástica Witchammmer, que em suas linhas guitarra, lembra bastante o que faz o Candlemass. E os destaques prosseguem com a emotiva Lost In The Garden e em Stardust, que tem bons vocais limpos. Thorns In The Womb é outra faixa digna de elogios, com uma ótima alternância entre os vocais.
Em linhas gerais trata-se de um ótimo trabalho, sendo que em termos de produção e composição, é um álbum que representa muito bem o estilo.
O álbum foi muito bem aceito pelos fãs e pela mídia especializada, mas não foi o suficiente para que o conjunto seguisse na ativa.
Tempos após o lançamento de Of Essence and Nightmare, o Autumn Flowers acabou encerrando suas atividades.
É uma pena que uma banda com tanta qualidade e que conseguiu ser uma pioneira no estilo em sua região, não esteja mais na ativa. Fica na expectativa para que, com a efervescência da cena atual em Juiz de Fora, possam retornar aos palcos e receber o reconhecimento de que tanto fizeram por merecer!


 Of Essence and Nightmare (2010)

01 - Of Essence and Nigthmare
02 - Witchhammer
03 - Kingdom of Hypocrisy
05 - Stardust
06 - The Last Farewell
08 - Bring Me To My Cradle
09 - What Lies Beneath
10 - Time After Time (Bonus Track)
11 - On My Knees (Bonus Track)


domingo, 24 de agosto de 2014

1349 - Discografia Comentada

Interessante mesmo é quando uma banda tem um nome que dê para traçar uma linha de ligação com a sonoridade. Nada de forma explícita. Apenas de forma sutil, que exija algum conhecimento específico. Tanto no âmbito da sonoridade quanto no âmbito do nome, o 1349 está de parabéns.
O nome da banda faz alusão ao ano de 1349, o ano do início da queda da Noruega contra um inimigo mortal e silencioso: a peste negra. Esse foi o ano que a doença chegou ao país e, ao longo das décadas seguintes, assolaria 2/3 da população e poria fim a uma era de grande crescimento econômico e paz chamada de Era Dourada da Noruega.
A peste era negra... então nada mais justo do que o som da banda também o ser. Black. Black Metal. Com a proposta de executar um som violento e sufocante, compôr letras anti-religiosas, negras e apocalípticas, e circundados por uma forte influência do Celtic Frost, surge em Oslo, na Noruega, das ruínas da banda Alvheim, o 1349, fundado no ano de 1997.
Inicialmente, o grupo era um quarteto composto por Ravn no vocal e bateria, Tjalve e Balfori nas guitarras, e Seidemann no contrabaixo. Rapidamente nos dois anos seguintes, uma dupla de demos foi lançada: "Demo 1998" no ano referido pelo título, e "Chaos Preferred", essa como um power trio, sem o guitarrista Balfori. Após a chegada do baterista Frost (também baterista do Satyricon) em 2000, o 1349 lançou o primeiro registro sob as asas de uma gravadora: o EP demo "1349", via Holycaust Records. O disco contém até mesmo um cover ao vivo da faixa "The Usurper", do Celtic Frost.
Dois anos mais tarde, o debut "Liberation" é lançado via Candlelight Records com a banda em forma de quinteto devido ao ingresso do segundo guitarrista Archaon. Musicalmente falando, esse trabalho é tudo o que sacaneiam em relação ao Black Metal: produção de qualidade ruim, som abafado, guitarras parecendo abelhas em uma colmeia e bateria que está mais para batucaiada em lata. Mas é disso que os fãs mais tradicionais do gênero gostam, pois dessa forma o som é sujo. O som é bem direto e linear, com porradaria do início ao fim. Muita violência no som e raiva no gutural rasgado de Ravn.
Não tardou em logo em 2004 o segundo álbum de estúdio, intitulado "Beyond The Apocalypse", saiu das trevas para apreciação. Novamente é um trabalho tão sujo quanto o antecessor, mas ainda mais acelerado e brutal, com um trabalho ainda mais vibrante na bateria e melhora na gravação da mesma.
A sequência da agressividade e sujeira de qualidade abafada de gravação se sucedeu em 2005 com o lançamento do porradeiro "Hellfire". Nesse terceiro álbum, os noruegueses acrescentam um componente adicional em alguns trechos para que uma atmosfera mais densa paire no ar: teclados. Mas não são teclados primordiais às composições musicais como no Symphonic Black Metal. É apenas uma pitada atmosférica. A forma como as canções são cantadas também sofre mudanças, pois não apenas o gutural rasgado é explorado, mas também uma postura mais teatral que transmite sofrimento e dor.
Após três lançamentos relâmpago, a popularidade do 1349 subiu, e com as excelentes apresentações ao vivo com direito até a sopro de fogo, só veio a ganhar mais fãs aprovando-os. Isso os levou inclusive a realizarem uma turnê pelos Estados Unidos ao lado de sua maior influência, o Celtic Frost, e até mesmo o vocalista Ravn teve participação especial na faixa bônus "Temple of Depression", presente no álbum de 2006 dos suíços, intitulado "Monotheist".
Os anos seguintes se resumiram a shows e mais shows em diversos festivais pela Europa, dividindo palco com outras bandas de peso. Em 2008, por exemplo, fizeram tour ao lado de Carcass, Suffocation, Aborted e Rotten Sound.
O álbum seguinte se chama "Revelations of The Black Flame" e foi lançado em 2009, sendo o último disco sob tutela da Candlelight Records, e o primeiro sem o guitarrista Tjalve. Dessa vez a postura é outra; não abandonam o Black Metal, mas exploram novas formas de tocá-lo. Por sinal, gostaram das inclusões de teclados do disco anterior e decidiram levar isso mais além. Esse é um álbum que contém músicas tocadas de forma lenta, com riffs que se arrastam e se complementam apenas após alguns segundos. O slow motion de riffs é incentivado pela veia atmosférica e belamente interpretado por uma abordagem vocal que alterna entre o gutural um pouco mais fechado e algo mais narrado situado entre o grave e o gutural. Ambos igualmente lentos e arrastados, como se uma história fosse contada de forma macabra e aterrorizante. Claramente, a intenção aqui é de dar impacto, de criar sentimentos, de transmitir terror, como em um filme. Alcançaram isso com sucesso!
No início de 2010, a banda assinou com a Indie Recordings para o lançamento do próximo álbum na Europa, e com a Prosthetic Records para ser distribuído na América do Norte. Alguns meses mais tarde, em abril, mais especificamente, o quinto álbum de estúdio emergiu, sob o título "Demonoir". Esse excelente trabalho buscou unir a secura e violência dos três primeiros discos com a misteriosa e medonha atmosfera do quarto. O resultado foi um álbum com faixas agressivas intercaladas entre si por interlúdios instrumentais e ambientais, sendo que mais variedade de efeitos de teclado são exploradas.
No mesmo mês, saíram em turnê com o Cannibal Corpse, Skeletonwitch e Lecherous Nocturne e até se apresentaram no Summer Breeze Open Air e no Wacken Open Air em agosto, além de, mais pra frente, terem excursionado os Estados Unidos e Canadá ao lado do Tryptikon, banda de Tom Gabriel Fischer formada após o fim do Celtic Frost.
Atualmente há expectativa acerca do lançamento do sexto álbum de estúdio do 1349, que se chamará "Massive Cauldron of Chaos" e tem data de lançamento marcada para o dia 29 de setembro de 2014.
Eis então uma banda tão violenta quanto a peste que se assolou pela Europa na Idade Média, com um som mórbido como somente a qualidade norueguesa do gênero é capaz de oferecer.

|    Official Website    |    Facebook Page    |    Twitter    |
|    YouTube Channel    |    Bandcamp    |    Instagram    |


 Chaos Preferred (Demo) (1999)

04 - F.T.W.

 1349 (EP) (2001)

01 - End of All
02 - Antichrist Warzone
03 - Chaos Within
04 - The Usurper (Live) (Celtic Frost Cover)

 Liberation (2003)

01 - Manifest
02 - I Breathe Spears
03 - Riders of The Apocalypse
04 - Deathmarch
05 - Pitch Black
06 - Satanic Propaganda
07 - Legion
08 - Evil Oath
09 - Liberation
10 - Buried By Time and Dust (Mayhem Cover)

Ouvir (YouTube)
Ouvir (Spotify)

 Beyond The Apocalypse (2004)

01 - Chasing Dragons
02 - Beyond The Apocalypse
03 - Alwass Aeon
04 - Necronatalenheten
05 - Perished In Pain
06 - Singer of Strange Songs
07 - Blood Is The Mortar
08 - Internal Winter
09 - The Blade

Ouvir (YouTube)
Ouvir (Spotify)

 Hellfire (2005)

01 - I Am Abomination
02 - Nathicana
03 - Sculptor of Flesh
04 - Celestial Deconstruction
05 - To Rottendom
06 - From The Deeps
07 - Slaves To Slaughter
08 - Hellfire

Ouvir (YouTube)
Ouvir (Spotify)

 Revelations of The Black Flame (2009)

01 - Invocation
02 - Serpentine Sibilance
03 - Horns
04 - Maggot Fetus... Teeth Like Thorns
05 - Misanthropy
06 - Uncreation
07 - Set The Controls For The Heart of The Sun (Pink Floyd Cover)
08 - Solitude
09 - At The Gate...

Works of Fire, Forces of Hell: Live Stockholm 2005 (Live) (Bonus CD):
01 - Hellfire
02 - Chasing Dragons
03 - Satanic Propaganda
04 - I Am Abomination
05 - Manifest

Ouvir (YouTube)
Ouvir (Spotity)

 Demonoir (2010)

01 - Tunnel of Set: I
02 - Atomic Chapel
03 - Tunnel II
04 - When I Was Flesh
05 - Tunnel III
07 - Tunnel IV
08 - Pandemonium War Bells
09 - Tunnel V
10 - The Devil of The Deserts
11 - Tunnel VI
12 - Demonoir
13 - Tunnel VII

Ouvir (YouTube)
Ouvir (Spotify)

 Massive Cauldron of Chaos (2014)

01 - Cauldron
02 - Slaves
03 - Exorcism
04 - Postmortem
05 - Mengele's
06 - Golem
07 - Chained
08 - Untitled
09 - Godslayer (Bonus Track)
10 - Tornado (Voivod Cover) (Bonus Track)
11 - The Heretic (Possessed Cover) (Bonus Track)

Ouvir (YouTube)
Ouvir (Spotify)

Suprema - Discografia

Se tem uma fusão de vertentes que é amplamente praticada no Brasil atualmente, ela é o Progressive/Power Metal. Não é nada difícil achar bandas que seguem essa linha em nosso país, ou até mesmo outras que fazem Power Metal puro. A maioria tem sua dose de excelência, lançando excelentes trabalhos e contando com ótimos músicos e interessantes vocalistas. Uma delas é o ótimo Suprema, oriundo de São Paulo capital.
O conjunto nasceu em 2004, mas já em 2005, Daniel Vargas (vocal), Douglas Jen (guitarra), Rodrigo del Carte (baixo), Marcelo La Pax (bateria) e Guto Viegas (teclados) se reuniram para gravar seu primeiro expoente: a demo de cinco faixas intitulada "Spyeyes".
Para a single "Iron Maiden Tribute", de 2008, o Suprema reapareceu com uma mudança total na formação, restando apenas o guitarrista Douglas Jen desde a formação da demo. Agora a banda contava, além dele, com Pedro Nascimento no vocal, Gabriel Conti no contrabaixo e Rafael Rosa na bateria. Com isso, de forma independente, a single saiu, contendo apenas duas músicas: um cover de "Be Quick Or Be Dead" do Iron Maiden cantado pelo antigo vocalista, e uma regravação da faixa "Powermind", da primeira demo, mas agora interpretada por Pedro Nascimento.
Após a entrada do baterista Fernando Castanha em 2012, finalmente era tempo dos paulistanos lançarem seu primeiro álbum de estúdio completo. De forma independente, o excelente "Traumatic Scenes" veio então à luz envolto em uma aura que demonstra que sabem o que estão fazendo e podem melhorar ainda mais. A sonoridade é o que se espera de uma fusão entre Progressive e Power Metal: o clima do Power acrescentada por quebradas Progressivas gerando uma sonoridade agradavelmente melódica, adocicada por refrões de fácil assimilação, que grudam na cabeça. Pedro Nascimento é dono de um vocal mais puxado para um Prog mais pesado, pois apesar de controlar muito bem o tom, carrega drives que são capazes de combinar agressividade e suavidade, como na balada "Memories".
O trampo trás também participações especiais e membros de sessão para que um som mais convincente seja alcançado. Entre os vários membros, destacam-se o ex-membro Guto Viegas, que gravou boa parte dos teclados, e o vocalista gutural Victor Prospero (também baixista do Seventh Seal, e ex-Evil Mayhem e Necromesis), que empresta sua violência vocal nas faixas "Visions From The Other Side", "Burning My Soul" e "Traumatic Scenes".
Esse é realmente um excelente disco onde mesmo que a veia Prog seja bem evidente nos riffs e na excelente exploração do contrabaixo, não há fritação, exibicionismo, nem nada que considerem exagerado. O ponto negativo é que o fato de ser um registro independente prejudicou o acesso à maior qualidade de gravação. Ainda assim, não é nada que atrapalhe a compreensão do que está sendo executado. É somente um tanto abafado.
Por enquanto esse é o único álbum desses caras que têm um reconhecimento maneiro principalmente em São Paulo. Para quem gosta dessa fusão de vertentes e está a fim de conhecer algo brasileiro, aqui está uma boa oportunidade de complementar o conhecimento e acompanhar o progresso desses caras que com certeza, caso se mantenham firmes na estrada, acabarão por nos trazer álbuns ainda melhores em musicalidade e produção.


 Traumatic Scenes (2012)

01 - Marks of Time
02 - Dark Journey
03 - Rising From The Ashes
04 - Fury and Rage
05 - Visions From The Other Side
06 - Burning My Soul
07 -  Memories
08 - Before The End
09 - Nightmare
10 -  Iced Heart
11 - Traumatic Scenes


domingo, 17 de agosto de 2014

Chris Cornell - Discografia

Christopher John Boyle, popularmente conhecido como Chris Cornell, nasceu em Seattle, Estados Unidos, no dia 20 de julho de 1964.
Entre sua infância e a adolescência, Chris passou a se interessar pela música, em especial pelo trabalho dos Beatles, de que se tornou um grande admirador.
No começo dos anos 80, Cornell foi um membro de uma banda cover chamada The Shemps, que também contava com o baixista Hiro Yamamoto. Após o fim do conjunto, a dupla seguiu junta e recrutaram Kim Thayil, formando um dos maiores nomes do grunge em todos os tempos: o Soundgarden.
Além do sucesso com o Soundgarden, Chris foi o criador do projeto Temple Of The Dog, uma homenagem a seu falecido amigo Andrew Wood. Desse conjunto, nasceu outro grande nome do grunge: o Pearl Jam.
Em 1997, o Soundgarden encerrou suas atividades e Chris partiu para a carreira solo. Seu primeiro álbum veio em 1999, intulado Euphoria Morning.
O álbum aposta do Rock Alternativo, com uma pegada mais pop, e que traz, além dos vocais sempre perfeitos de Chris, a ótima Can't Change Me, sendo o único single de sucesso no do álbum. O disco não teve boas vendas, mas as apresentações de divulgação do trabalho eram sempre bastante prestigiadas.
Em 2001, Chris deu início ao Audioslave, com os demais membros do Rage Against The Machine, que estavam à procura de um vocalista, após a saída de Zack de la Rocha.
O Audioslave durou até 2007, ano em que Chris anunciou sua saída por problemas pessoais e divergências musicais.
Ainda em 2007, o músico lançou a coletânea The Roads We Choose - A Retrospective, que abordava toda a sua carreira até o momento e que tinha duas ótimas versões acústicas para os clássicos Black Hole Sun (Soundgarden) e Like A Stone (Audioslave).
O músico lançou, ainda, seu segundo álbum solo: Carry On, que trazia o sucesso You Know My Name, que foi trilha sonora do filme 007 - Cassino Royale. E se os fãs do Soundgarden já haviam se decepcionado com Euphoria Morning pela falta de peso, em Carry On as baladas predominam. Ainda assim há destaques como Dissappearing Act e Safe And Sound (que lembra bastante o The Black Crowes). Há, ainda, uma versão inusitada de Billie Jean, clássico de Michael Jackson.
Nessa mesma época, o músico teve problemas relacionados à divulgação não autorizada de um disco acústico intitulado Chris Cornell: Unplugged In Sweden,  que retrata um show ocorrido em 2006 em Estocolmo. A resposta "oficial" viria em 2011, com o lançamento de Songbook.
Scream, seu terceiro disco solo, foi lançado em 2009, sendo considerado por Chris como o ponto mais alto de sua carreira. O vocalista afirmou que o som de Scream foi inspirado nos Beatles, em relação ao fato de compor e gravar o que gostam, sem ligar para os resultados.
O álbum foi muito criticado pela mídia, ainda assim, foi o disco de Chris que teve melhores vendas, o que pode ser explicado pela faixa-título, que teve enorme divulgação em diversos de veículos de comunicação. Em 2010, anunciou-se o retorno do Soundgarden e a carreira solo de Chris, deu uma parada. Apesar de flertar entre o Pop e o Alternative Rock, vale a pena dar uma atenção para a carreira solo do cara, afinal de contas estamos falando de um dos melhores vocalistas da atualidade!


 Euphoria Morning - 1999

01 - Can't Change Me
02 - Flutter Girl
03 - Preaching The End Of The World
04 - Follow My Way
05 - When I'm Down
06 - Mission
07 - Wave Goodbye
08 - Moonchild
09 - Sweet Euphoria
10 - Disappearing One
11 - Pillow Of Your Bones
12 - Steel Rain
13 - Sunshower
14 - Can't Change Me (French Version - Japanese Bonus Track)


 The Roads We Choose - A Retrospective (Compilation) - 2007

01 - Chris Cornell - No Such Thing
02 - Soundgarden - Black Hole Sun
03 - Temple Of The Dog - Hunger Strike
04 - Soundgarden - Outshined
05 - Soundgarden - The Day I Tried To Live
06 - Soundgarden - Fell On Black Days
07 - Soundgarden - Spoonman
08 - Soundgarden - Blow Up The Outside World
09 - Audioslave - Be Yourself
10 - Audioslave - Original Fire (Acoustic)
11 - Audioslave - Show Me How To Live
12 - Chris Cornell - Can't Change Me
13 - Temple Of The Dog - Say Hello 2 Heaven
14 - Audioslave - Like A Stone (Acoustic)
15 - Soundgarden - Black Hole Sun (Acoustic)
16 - Chris Cornell - You Know My Name
17 - Chris Cornell - Arms Around Your Love

Download

 Carry On - 2007

01 - No Such Thing
02 - Poison Eye
03 - Arms Around Your Love
04 - Safe And Sound
05 - She'll Never Be Your Man
06 - Ghosts
07 - Killing Birds
08 - Billie Jean
09 - Scar On The Sky
10 - Your Soul Today
11 - Finally Forever
12 - Silence The Voices
13 - Disappearing Act
14 - You Know My Name
15 - Today (Bonus Track)

Download

 Scream - 2009

01 - Part Of Me
02 - Time
03 - Sweet Revenge
04 - Get Up
05 - Ground Zero
06 - Never Far Away
07 - Take Me Alive
08 - Long Gone
09 - Scream
10 - Enemy
11 - Other Side Of Town
12 - Climbing Up The Walls
13 - Watch Out - Two Drink Minimum (Hidden Track)
14 - Ordinary Girl (Bonus Track)
15 - Lost Cause (Bonus Track)
16 - Do Me Wrong (Bonus Track)
17 - Stop Me (Bonus Track)
18 - Why Do You Follow Me

 SongBook (Live) - 2011

01 - As Hope And Promise Fade
02 - Scar On The Sky
03 - Call Me A Dog
04 - Ground Zero
05 - Can't Change Me
06 - I Am The Highway
07 - Thank You
08 - Cleaning My Gun
09 - Wide Awake
10 - Fell On Black Days
11 - All Night Thing
12 - Doesn't Remind Me
13 - Like A Stone
14 - Black Hole Sun
15 - Imagine
16 - The Keeper

Download

 Higher Truth - 2015

01 - Nearly Forgot My Broken Heart
02 - Dead Wishes
03 - Worried Moon
04 - Before We Disappear
05 - Through The Window
06 - Josephine
07 - Murderer of Blue Skies
08 - Higher Truth
09 - Let Your Eyes Wander
10 - Only These Words
11 - Circling
12 - Our Time In The Universe
13 - Bend In The Road (Bonus Track)
14 - Wrong Side (Bonus Track)
15 - Misery Chain (Bonus Track)
16 - Our Time In The Universe (Remix) (Bonus Track)

Download (Ulozto)
Download (Zippyshare)